fbpx

Como calcular a rentabilidade do posto para gerar resultados melhores?

Você, gestor ou proprietário de um posto de combustíveis, deve se perguntar frequentemente: meu posto está dando lucro? Está sendo rentável? Essas perguntas, embora parecidas, dizem respeito a coisas diferentes. Uma tem a ver com lucratividade, outra com a rentabilidade do posto.

Como o nome sugere, lucratividade está relacionada a lucro; já a rentabilidade vai um pouco mais além. Sua análise aponta se o empreendimento tomou os rumos certos desde a sua concepção e se consegue se manter vivo no longo prazo. Ela é, portanto, crucial para compreender o atual cenário financeiro e vislumbrar os próximos.

Continue lendo este post e entenda mais sobre rentabilidade e a sua importância para donos de postos.

O que é rentabilidade?

Rentabilidade é a métrica que define o êxito financeiro da empresa em relação aos investimentos na operação. Ou seja, os indicadores que medem a rentabilidade do negócio têm por objetivo avaliar se os investimentos feitos estão gerando resultado.

A partir disso, os gestores conseguem identificar a capacidade que a empresa tem de gerar lucros e se estes são, de fato, suficientes para dar margem à construção de novas estratégias e, ainda assim, gerar um bom desempenho no dia a dia.

Em resumo, a rentabilidade é o retorno sobre o investimento realizado pela empresa. Portanto, antes de investir em qualquer novidade em seu posto de combustíveis, é preciso fazer uma previsão do lucro para entender se essa nova empreitada será realmente rentável.

Qual a diferença entre rentabilidade e lucratividade?

Essa pergunta permeia a cabeça de muitos gestores. Os termos são parecidos e, por isso, geram confusão, mas há sim diferenças entre ambos os conceitos.

Como falamos, a rentabilidade é o fator que aponta se o que foi aplicado para a construção do negócio – ou de algum projeto específico – valeu a pena. A lucratividade, por sua vez, aborda outro aspecto.

A lucratividade é o índice que mostra o lucro que sua receita teve ao longo de determinado período, ou seja, o valor da receita já subtraindo os custos fixos, despesas da folha de funcionários, gastos com produtos, impostos, entre outros abatimentos.

Você pode calcular esse índice da seguinte forma: (Lucro Líquido/Receita Bruta) x 100. Por exemplo, se seu posto vende, no mês, R$ 500 mil em combustíveis e produtos agregados, essa é a sua receita bruta.

No entanto, ao fazer as deduções necessárias, o valor do lucro líquido foi de R$ 350 mil. Portanto, a lucratividade dessa empresa é de 70%. Isto é, a cada um real investido, 70 centavos são de lucro.

Essa compreensão é extremamente importante, pois não é porque um negócio é lucrativo que ele será rentável. Se um posto tem uma taxa de lucratividade interessante mês após mês, mas demora a trazer retorno sobre o investimento aplicado no começo, significa que ele não apresenta rentabilidade.

Como calcular a rentabilidade do posto?

Assim como a lucratividade, o cálculo da rentabilidade também gera um número percentual que deve ser analisado conforme o contexto da empresa.

Esse cálculo envolve o valor total investido para a concepção de desenvolvimento do negócio e o lucro líquido obtido.

A fórmula é a seguinte: (lucro líquido / investimento total) x 100.

Vamos tomar como exemplo um posto que precisou de um investimento de R$ 300 mil para iniciar sua operação. Após os três primeiros meses de funcionamento, constatou-se que seu lucro líquido era, em média, de R$ 200 mil.

Logo, valendo-se da fórmula citada anteriormente, sua rentabilidade é de 66%, o que é um número bom. Quanto maior for o índice, ou mais próximo de 100%, significa que a empresa tem boa rentabilidade. Já se o índice for muito baixo, está na hora de ligar o alerta vermelho.

Para se ter uma noção, especialistas afirmam que um índice de rentabilidade anual considerável bom para pequenas empresas é, em média, 25%.

5 Indicadores fundamentais para mensurar a rentabilidade do seu posto

A taxa da rentabilidade do posto – como também de qualquer tipo de empresa – pode ser definida a partir do uso de alguns indicadores financeiros. A seguir, apresentamos alguns deles:

1. Margem líquida

Este indicador apresenta o valor restante das receitas após os descontos obrigatórios, como despesas administrativas e impostos. Seu valor é obtido a partir da divisão do lucro líquido pela receita total de vendas, e depois multiplicado por 100. Quanto maior for esse número, maior será o lucro por cada venda.

2. ROI (Return on Investment)

Indica possíveis lucros ou perdas com algum investimento realizado, seja antes ou após a aplicação. Por essa característica,  aponta se valerá a pena realizá-la. Quando se avalia algo que está em curso, o ROI, em tradução livre, retorno sobre o investimento, aponta quais operações são positivas e quais estão levando a saúde financeira do negócio para baixo.

3.   ROE (Return on Equity)

Está relacionado à rentabilidade do capital próprio aplicado no negócio, daí o nome: retorno sobre o capital, em tradução livre. Ele mostra se a empresa é capaz de gerar mais valor a partir dos próprios recursos. Para descobrir isso, se divide o lucro líquido acumulado no último ano com o total do patrimônio líquido da empresa. Quanto maior for o índice, maiores as chances de os investimentos terem sucesso.

4.   Ebitda

índice Ebitda, sigla para Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, em tradução livre), é aplicado para descobrir o quanto a empresa está rendendo com suas atividades, desconsiderando investimentos, empréstimos e taxações. Por ser público, investidores veem no Ebitda a oportunidade de entender o comportamento financeiro das empresas e, a partir disso, refletir se vale a pena investir nelas.  

5.   Giro do ativo

Esse indicador relaciona o total das vendas realizadas a partir do ativo da empresa com a receita líquida. Dessa forma, indica quantas vezes o ativo da companhia sofreu giros no determinado período. Com isso, mede a eficiência do uso desses ativos e se eles estão gerando lucro.

Porque entender a rentabilidade é algo importante

A análise da rentabilidade é imprescindível para qualquer empresa, e quando estamos falando do setor de postos de combustíveis, não é diferente. Esse mercado é bastante competitivo, e, portanto, entender bem a empresa é fundamental.

A partir da compreensão da rentabilidade do posto, o gestor pode, acima de tudo, avaliar o desempenho do empreendimento. Isso mostra a ele em que o posto está indo bem e em que precisa melhorar.

A partir dessas informações, o gerente ou proprietário cria um cenário propício para a criação de estratégias que potencializem aquilo que está indo bem e amenizem aquilo que está levando o índice para baixo.

Além disso, o índice de rentabilidade indica se todo o investimento inicial aplicado no negócio será retornado a curto, médio e longo prazo. Com esses dados, você pode perceber, mês a mês, se investir nesse negócio realmente foi uma boa opção.

Como aumentar a rentabilidade do posto

De certa maneira, não existe fórmula mágica para tornar um negócio mais lucrativo e/ou mais rentável. Tudo vai depender da construção de um planejamento financeiro assertivo. Afinal, ele indica que, se os rumos certos forem tomados, não haverá problemas.

Fazendo essa lição logo de início, a rentabilidade do posto tende a ser alta. Mas, se por acaso chegou-se à conclusão de que os índices estão aquém do esperado, podem ser tomadas algumas ações corretivas.

Dica #1: Planeje e re-planeje

Traçar um planejamento estratégico em consonância com o que se espera é o passo fundamental, pois é esse documento que indica aonde se quer chegar e qual a melhor forma de fazer isso.

Na dúvida, procure profissionais especializados em construir planejamentos e traçar estratégias focadas na melhor rentabilização do negócio.

Dica #2: Faça a precificação adequada

Dizer quanto o cliente deve pagar baseado em achismos é uma grande furada. Para definir quanto se cobrará por cada combustível, produto ou serviço agregado, é preciso conhecer bem o mercado.

E isso envolve desde os preços praticados pelos concorrentes ao valor investido e os custos que envolvem cada processo.

Se você não fizer a precificação da forma adequada, pode ter uma margem de lucro muito baixa ou, do contrário, perder cliente por trabalhar com preços abusivos.

Dica #3: Venda o que for possível e necessário

A rentabilidade do posto não se faz somente a partir do lucro com os combustíveis; os produtos não combustíveis e os serviços também compõem esse montante.

Logo, se você não trabalha com esses outros dois fatores, repense. Quanto mais coisas você oferecer a seus clientes, mais lucro terá. Você pode também optar por ideias inovadoras capazes de gerar mais vendas e, consequentemente, mais lucro.

Vale citar também que novos meios de pagamento, como o Pix e as carteiras digitais, são chamariz para novos clientes. Eles estão em ascensão e cada vez mais sendo procurados.

Dica #4: Reduza custos

Essa dica é válida para qualquer empresa, de qualquer setor ou porte. Os custos vêm e vão, pois são os que primeiro chamam atenção na hora do aperto.

Então, atente-se aos gastos desnecessários ou que podem ser mitigados sem, claro, prejudicar a atmosfera de trabalho do empregado, tampouco a experiência do consumidor.

Como um sistema de gestão pode te auxiliar a aumentar a rentabilidade?

A otimização de recursos é uma das possibilidades para aumentar a rentabilidade do posto. E isso pode ser feito de diversas maneiras. Entre elas está a transformação digital da gestão.

Isso significa abrir mão das planilhas, papéis e um número de pastas perdidas no computador para dar lugar a um software de gestão integrado.

Um sistema como esse, além de manter seu negócio alinhado com as inovações no mundo dos postos de combustíveis, traz uma série de benefícios para a empresa como um todo.

Um ERP te dá uma visão 360º de todos os setores (financeiro, compras, comercial etc.), permitindo que você tenha acessos aos números completos. Dessa forma, é possível identificar as boas novas e os gargalos em cada um.

Com informações assertivas nas mãos, a tomada de decisão se torna muito mais prática, possibilitando rever processos e agir para evitar prejuízos.

A rentabilidade do posto não aumenta da noite para o dia. Ela é construída paulatinamente, logo o responsável precisa ter a gestão em mãos, a qualquer momento, de qualquer lugar, para agir com previsibilidade e assertividade. 

E nós podemos te auxiliar com isso. Se você quer saber como nosso sistema Petros pode te auxiliar a tornar o seu posto mais rentável e lucrativo, é só clicar aqui e solicitar uma demonstração gratuita

Fique por dentro das últimas novidades sobre gestão empresarial! 

Assine a newsletter do blog Adaptive e receba conteúdos novos toda semana diretamente no seu e-mail!

Temos soluções para diferentes necessidades.

Saiba como tornar o seu negócio mais competitivo no mercado.

Muito Obrigado!

Muito Obrigado!