fbpx

Postos com frentistas até quando?

postos com frentistas até quando?

postos com frentistas até quando?

Você já deve ter visto em filmes onde os motoristas chegam aos postos de combustíveis e abastecem o seus próprios veículos.

Assim como as pessoas aprendem a dirigir, aprendem logo no primeiro abastecimento como proceder para abastecer seu carro. Não é nenhum bicho de sete cabeças.

Se necessitar de auxílio, há pessoas prontas para ajudar nas lojas de conveniência, onde na maioria das vezes, efetuamos o pagamento do abastecimento.

Digo na maioria das vezes porque, há modelos de bombas de combustível onde abastecemos o veículo e ao final, indicamos em um painel digital, na própria bomba, a forma de pagamento, sendo dinheiro, cartão de crédito ou débito, como se estivéssemos finalizando uma compra qualquer em uma loja.

E para os que se incomodam em pegar no gatilho da bomba e ficar com cheiro de combustível na mão, há luvas descartáveis, água e toalhas de papel para lavar as mãos, caso precise, junto às bombas.

 

Mas por que aqui no Brasil, há frentistas para abastecer os veículos e não é permitido que o motorista abasteça seu próprio veículo?

 

A função de frentista aqui no Brasil é protegida por lei, já que no ano de 2000 o então presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a Lei nº 9.956. Essa lei proíbe o funcionamento de bombas de auto-serviço (onde o próprio cliente realiza o serviço) em todo território nacional e aplica multas ou até mesmo o fechamento do posto caso seja descumprida.

Para essa lei ser aplicada, justificou-se na época, que era para a proteção aos empregos dos frentistas, hoje estimados em cerca de 500 mil pela Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados do Petróleo (Fenepospetro).

Após a crise dos combustíveis instalada há meses atrás, uma das propostas do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para baixar o preço da gasolina no país, resulta na demissão dos frentistas.

 

CADE propõe posto sem frentista para reduzir preços dos combustíveis

 

Para o CADE, com a exclusão do serviço dos frentistas, o dono do posto teria redução de encargos trabalhistas, com consequente queda do preço final ao consumidor.

Mas para os sindicatos dos frentistas no país todo, a alternativa é absurda e hoje, para o posto que descumprir a lei, será multado.

Para mudar a Lei nº 9.956, será necessário alterar por meio de um projeto de lei no Congresso e revogá-la. Este assunto não é recente e provavelmente ainda teremos muita discussão pela frente.

 

Quer receber novidades e dicas para o mercado de combustíveis? Cadastre-se abaixo.

Fique por dentro das últimas novidades sobre gestão empresarial! 

Assine a newsletter do blog Adaptive e receba conteúdos novos toda semana diretamente no seu e-mail!

Temos soluções para diferentes necessidades.

Saiba como tornar o seu negócio mais competitivo no mercado.

Muito Obrigado!

Muito Obrigado!