Prazos de validade em combustíveis: entenda como funciona

Publicado em:

validade combustível

Quando você vai ao supermercado, na hora de adquirir um produto, provavelmente presta atenção na data de validade, desconfiando até quando o preço está muito abaixo do comum.

Esta mesma preocupação deveria valer tanto diante das gôndolas quanto para as bombas de combustível dos postos. Afinal, combustível também tem validade. A determinação do tempo é relativa, já que pode depender da localidade de armazenagem, condições climáticas, estado do tanque, o tipo de refino ou até mesmo o produtor. Ou seja, no máximo é possível chegar a uma média.

Além disso, se o combustível ficar muito tempo dentro do tanque do carro, a ponto de ficar velho, pode trazer inúmeros problemas para o funcionamento do motor do seu veículo, como dificuldade da partida e falhas no funcionamento do motor.

 

Prazo de validade nos postos de combustíveis

Para saber a validade do combustível nos postos, existe um teste especificado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) chamado “período de indução”. Nesse teste é retirado uma amostra de gasolina, onde o mesmo deve resistir à indução de oxigênio, isso, realizado em laboratório, por no mínimo 6 horas.

Na prática, é da seguinte forma: a cada 60 minutos equivalem a um mês de estoque em condições ideais, se estiver protegida de luz e do calor. Ou seja, bem estocada, a gasolina comum pode resistir até seis meses nos reservatórios dos postos de combustíveis.

 

Prazo de validade nos veículos

Já o armazenamento nos veículos, o combustível funciona de outra forma, tendo o prazo diferenciado estando dentro do tanque. Isso porque a composição está exposta ao calor e oxigênio. Então, quando o combustível não é utilizado pelo motor, volta quente para o tanque e logo encontra o oxigênio do reservatório.  “Por isso, nos automóveis a validade da gasolina fica em torno de 2 a 3 meses, dependendo do nível dentro do tanque (quanto menor, mais contato com o oxigênio e menor dissipação de calor)”, diz o Engenheiro Gilberto Pose, Coordenador de Combustíveis na Raízen, licenciada da marca Shell no Brasil.

 

Gasolina Aditivada tem prazo maior

Gasolina aditivada dura duas vezes mais que a gasolina comum porque possui redutores de oxidação, que é a reação do combustível com o oxigênio. Depende de sua composição, podem chegar até 18 meses nos locais de armazenamento, como a Shell V- Power Nitro+. Já no carro, pode chegar a mais de 10 meses, pois os agentes antioxidantes têm uma estabilidade elevada.

Caso você é daquele motorista que roda pouco com seu automóvel, o aconselhável é sempre usar gasolina aditivada. Por isso também, algumas montadoras recomendam o uso da gasolina aditivada no tanquinho auxiliar de partida a frio nos veículos Flex.

Principalmente em estações, como primavera, verão e outono onde o combustível passa sem uso. No caso, se o motor precisar da injeção de gasolina, no inverno por exemplo, muitas vezes o produto estará oxidado e denso.

 

Consequências

A principal consequência do combustível velho armazenado no carro é que ele pode trazer problemas para o motor.

Quando ocorre a oxidação (envelhecimento) e a evaporação de compostos leves, a gasolina torna-se:

  • Mais densa;
  • Tende a formar depósitos de goma no tanque, nas tubulações e nos injetores ou nos carburadores;
  • Dificuldade em dar a partida do motor;
  • “Engasgos” no funcionamento, o que pode aumentar o consumo do veículo.

 

Você já deixou o combustível envelhecer no veículo? Identificou alguns outros problemas? Conte para nós aqui nos comentários.

GOSTOU? Deixe seu e-mail e receba conteúdos como este!

O que achou? Deixe um comentário

Saiba quais foram nossas medidas e ações para proteger e garantir o bem-estar de nossos colaboradores e parceiros durante a pandemia. Leia as atualizações mais recentes.